Ulrich e os tachos da familia

É um fartar, vilanagem.

Mas para quando uma verdadeira revolução que extermine esta máfia de uma vez por todas. 

Roubam em todas as frentes. Criam bancos para roubar impostos, criam empresas para roubar subsídios, inventam fundações, institutos e observatórios para criar JOBS FOR MAIS BOYS, roubam postos de trabalho pois só eles possuem o direito exclusivo e divino aos cargos de topo, roubam futuros aos jovens que emigram, aos idosos que morrem precocemente, ás crianças que vêem as famílias a desmoronar-se. 

Mas eles aguentam... pois aguentam, com o mal dos outros vivem eles bem. 

Ora este srº Ulrich com tantas dependências do BPI e empresas anexas, não está a precisar de uma consultora competente e de confiança como a sua esposa? Não tem uma vaga para ela? Não confia nela nem nas suas capacidades? É estranho desperdiçar uma força de trabalho e de competência, e ainda por cima, da família, num cargo da função Pública... Oh Ulrich, faz lá esse favor e arranja um tacho para a tua competente esposa e competentíssimo filho.

O banqueiro, a sua Isabelinha e o senhor Presidente.

Sabem quem é uma das «consultoras» do senhor Presidente da República? Vejam o despacho na imagem em cima... A esposa do arrogante Ulrich, o tal que decidiu que os outros aguentam os sacrifícios, impostos ao povo, pelos quais ele é um dos responsáveis.
A estes parasitas sem escrúpulos nada lhes basta. Não lhes chegam os benefícios que obtém explorando o povo através da banca protegida pela governo, ainda têm que roubar emprego aos necessitados. Ainda têm que humilhar o cidadão comum que passa fome e não encontra emprego. O cidadão que não possui o direito de competir com os boys e girls, em igualdade de circunstancia, no mercado de trabalho, pois os jobs estão sempre reservados para os boys e girls.


Para estes seres carenciados nunca há desemprego, é pai, mãe e filho, todos na sombra do estado, incapazes de fazer pela vida, não descolam!? Há que manter sempre uma ligação com o dinheiro público.

Que pai ingrato que não mete o seu próprio filho a ganhar uns 10 mil euros ou 20 mil a gerir uma das suas empresas ou dependências. Será que o filho não é de confiança? Ou é um inútil sem remédio? É que nesse caso está bem assim e seguro, num tacho do estado. 

Deixo estas quadras dedicadas aos parasitas que nos consomem sem vergonha..

Dona Ulrich está bem encostadinha... tinham muitas necessidades e o Cavaco Silva decidiu ajudar e roubar mais um posto de trabalho aos portugueses.

Era uma vez um banqueiro
a Dona Isabel ligado.
Vive do nosso dinheiro,
mas nunca está saciado.

Vai daí, foi a Belém
E pediu ao presidente
que à sua Isabel também
desse um job consistente.

E o bom do senhor Cavaco
admitiu a senhora,
arranjando-lhe um buraco
e o cargo de consultora.

O banqueiro é o Fernando,
conhecido por Ulrich,
e que diz, de vez em quando,
«Quero que o povo se lixe!».

E o povo aguenta a fome?
«Ai aguenta, aguenta!».
E o que o povo não come
enriquece-lhe a ementa.

E ela, Dona Isabel,
com Cavaco por amigo.
não sabe da vida o fel
nem o que é ser sem-abrigo.

Cunhas, tachos, amanhanços,
regabofe à descarada.
É fartar, que nós, os tansos,
somos malta bem mandada.

Mas cuidado, andam no ar
murmúrios de madrugada.
E quando o povo acordar
um banqueiro não é nada.

É só um monte de sebo,
bolorento gabiru.
Fora do banco é um gebo,
um rei que passeia nu.

Cavaco, Fernando Ulrich,
Bancos, Troikas, Capital.
Mas que aliança tão fixe
a destruir Portugal!

(Estes versos foram colocados por um leitor do blog, aqui) 

Fonte: Apodrecetuga

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...