loading...

Como ser feliz em 2017

Mesmo com a típica agitação e “stess” do regresso ao trabalho, queremos que o seu coração se mantenha sempre quente! E assim, preparámos para si mais um ‘brinde’ especial…

Como assim? Através de simples passos que lhe garantem (sim, leu bem: garantem) mais Felicidade. Os investigadores na área da Felicidade (sim, tal coisa existe) têm “dissecado” o tipo de comportamentos, hábitos e maneiras de percepcionar o mundo que são mais observados nas pessoas que se declaram como sendo mais felizes. E arriscamos dizer que a felicidade é uma aspiração de todos.

Foto: WonderFeel
O velho ditado que diz “não existem fórmulas para se ser feliz” parece contradizer a ciência, que, actualmente, garante que, na verdade, existem alguns passos que se podem tomar para sermos realmente mais felizes, e esta afirmação vê-se suportada pela evidência científica.

Como queremos ajudá-lo a trilhar este “Caminho da Felicidade”, damos-lhe conta destes mais recentes dados da ciência moderna e listámos para si algumas destas pesquisas, levadas a cabo por renomados investigadores de universidades conceituadas. Tudo para que no fim do dia (e das noites) de Verão (e não só!) – você possa continuar a sorrir !! Saiba mais, em baixo. 

MEDITE
.
O simples acto de permanecer em silêncio durante algum tempo e esvaziar a mente deixa o corpo num estado tão profundo de relaxamento que os efeitos aparecem logo após a meditação e também a longo prazo.

Há um aumento nas sensações de calma, contentamento, nas capacidades de percepção (mais ampliada) e na empatia. Por isso, quando estiver sozinho, pare por um momento e pense: “Isto vai revigorar-me”. Pelo menos é o que diz uma conhecida investigação sobre Meditação do Hospital Geral de Massachusetts que concluiu que depois de participar num curso de meditação, os cérebros dos voluntários do estudo pareceram – literalmente – reprogramados para a felicidade.

A meditação literalmente limpa a sua mente e acalma-a, e tem sido muitas vezes descrita como sendo a maneira mais eficaz de viver uma vida mais feliz. O gráfico seguinte “fala” por si, explicando-nos isto um pouco melhor.

DURMA

Em períodos de muito trabalho e pouco tempo livre, precisamos dormir mais do que o habitual. O hábito de descansar menos do que deveríamos influencia negativamente a nossa saúde e o nosso humor. Um estudo recente, constante na publicação “NurtureShock”, comprovou que quem dorme pouco fica mais mal-humorado e com menos capacidade de concentração, memória e outras faculdades cognitivas, e a produtividade diária é afectada com o passar do tempo. Isso tudo, claro, acaba por se transformar num problema e numa enorme frustração.

EXERCITE-SE

Para nós, esta é tão óbvia que nem deveria estar aqui. É certo e sabido que a actividade física nos ajuda a libertar dopamina e endorfina, substâncias que provocam a sensação de bem-estar. Além disso, suar regularmente é uma fórmula comprovada de combater a depressão (além de remover toxinas do organismo).

No livro “The Happiness Advantage”, Shawn Achor menciona um estudo feito com pacientes que trataram depressão e o grupo que associou medicação com exercícios físicos teve apenas 9% de recaída, contra 38% dos que só tomaram medicação e não se mexeram. Isto sem falar no aumento do ânimo e nas melhorias ao nível do estado de saúde, de uma maneira geral.

AJUDE

Fazer os outros felizes é a fórmula garantida para aumentar seus níveis de felicidade. Oferecer presentes a outras pessoas, por exemplo, aumenta o seu nível de realização. Mas isso, obviamente, não significa que você não possa ser mais feliz se estiver sem dinheiro para gastar em prendas.

Ajudar de qualquer outra maneira é um método comprovado de trazer felicidade e grande satisfação pessoal. Fazer caridade ou ajudar alguma instituição como voluntário é sem dúvida algo que está associado a grande felicidade para muitas pessoas. Seja mais solidário e aproveite a felicidade que isso lhe poderá proporcionar. É o que diz o livro “Flourish: A Visionary New Understanding of Happiness and Well-being”, de Martin Seligman, professor da Universidade da Pensilvânia. Ele concluiu que ser gentil e solidário são as maneiras mais prováveis e infalíveis de produzir um aumento na sensação de bem-estar.

AME 

“Tudo o que você precisa é de amor”. Esta frase do ex-Beatle John Lennon é comprovadamente eficaz e garante a felicidade, segundo uma pesquisa de George Vaillant, publicada pelo jornal Huffington Post.

Ele concluiu, no seu estudo, que há dois pilares para uma vida feliz: um é o amor e o outro é encontrar uma maneira de lidar com a vida que não afaste o amor, pois os seus relacionamentos com outras pessoas é extremamente importante e influencia directamente a sua felicidade. Somos felizes quando temos família e amigos, e quase todas as outras coisas que nos fazem felizes são apenas formas diferentes de conseguir mais família e mais amigos, tal como afirma o investigador.

EVITE O TRÂNSITO

Actualmente, falar de stress no trânsito é bastante comum. Mas quais são os motivos que levam as pessoas a stressar-se no ambiente do tráfego? E, acima de tudo, como evitá-los? A palavra “stress” tem origem inglesa e, na linguagem médica, o termo tem um sentido próprio: significa um estado de tensão em que o organismo se prepara para enfrentar ou fugir do perigo. Assim, o stress, por si só, não é algo mau; porém, quando estamos expostos constantemente às suas sobrecargas emocionais, isto pode ser prejudicial à nossa saúde. O stress no trânsito pode expressar-se no nosso corpo por meio de um conjunto de sinais e sintomas que podem ser físicos (por exemplo, dores nas articulações, na coluna) e/ou psicológicos que se podem manifestar nos comportamentos agressivos e/ou desadequados.

Várias situações do trânsito são muito desgastantes. Por isso, experimentar e incentivar o uso de diferentes meios de transporte também pode ser interessante, uma vez que, em muitas cidades, usar o automóvel para ir para o trabalho e/ou universidade é bastante ‘stressante’. Algumas evidências, tais como as do estudo realizado pelo investigador Daniel Gilbert da Universidade de Harvard indicam que caminhar e andar de bicicleta pode ser bastante interessante, relaxante, estimulante e prazeroso, além de fazer bem à saúde e ao meio-ambiente!

PASSEIE AO AR LIVRE

No livro “The Happiness Advantage” Shawn Acor recomenda passar algum tempo ao ar livre para aumentar a sua felicidade. Neste estudo, por exemplo, descobriu-se que passar 20 minutos fora, ao ar livre e com tempo bom não só impulsiona o bom humor de forma geral, como também é capaz de aumentar as suas capacidades cognitivas e de memória de trabalho.

Tal é uma óptima notícia para aqueles que querem implementar novos hábitos na sua vida em horários já ocupados. 20 minutinhos… é um tempo curto mas o suficiente para sair um pouco para “fora da caixa”, que você tão bem poderá alocar aos seus trajectos diários, por exemplo, ou mesmo durante a sua pausa para o almoço. Estar ao ar livre, perto do mar, numa tarde quente e ensolarado, ao fim-de-semana, é o local perfeito para a maioria. Na verdade, os participantes deste estudo que passaram mais tempo ao ar livre verificaram estar substancialmente mais felizes em todos os ambientes naturais do que em ambientes urbanos.

SEJA GRATO

Estar grato pelo que se tem é uma é excelente via para aumentar a sua felicidade e satisfação com a vida. Esta é uma técnica aparentemente muito simples, mas para quem a aplica, conscientemente, é fonte de enormes mudanças de perspectiva.

Há inúmeras formas de praticar a gratidão, seja manter um diário de coisas por que você é grato, seja partilhando três coisas boas que acontecem a cada dia com um amigo ou companheiro, seja manifestando mais expressivamente gratidão quando os outros o ajudam de alguma forma. Diversos estudos apontam para as melhorias significativas no humor apenas por intermédio desta simples prática. Os resultados sugerem-nos, pois, que o foco consciente sobre as bênçãos (que muitas vezes temos por adquiridas, mas não são…) pode ter benefícios emocionais e interpessoais assinaláveis. O “Journal of Happiness Studies” publicou um estudo que utilizou cartas de agradecimento para testar como ser grato pode afectar os nossos níveis de felicidade. Os resultados indicaram que escrever cartas de gratidão aumentou nos participantes os índices de “felicidade e satisfação com a vida”, enquanto que ao mesmo tempo diminui os sintomas depressivos.

FAÇA PLANOS, ACREDITE E SONHE

Genericamente, podemos dizer que existem 3 regras básicas na vida que são: 1º) Se você não for atrás do que quer, por certo não o terá; 2º) Se não perguntar, a resposta será sempre não; 3º) Se não der um passo à frente nunca sairá do lugar.

Apesar de, à partida, todos nós devermos contar acima de tudo com o imprevisto e os movimentos contínuos (que são tudo menos estáticos) da vida, o esboçar planos e ir ao seu encalce, assim como o ter uma mente acordada parece garantir-lhe um sendo de maior auto-eficácia, confiança e mais memória a longo prazo e um envelhecimento mais activo. Neste sentido, dentro dos possíveis, construa os seus planos e projectos de vida, em qualquer idade e deixe que os seus sonhos o tornem mais feliz.

Tal fornecer-lhe-á um senso acrescido de estímulo e entusiasmo na vida, o que à partida contraria a apatia e a rotina auto-imposta por muitas pessoas, que as faz “parar” e até morrer… Por exemplo, os livros podem mantê-lo vivo. Outro aspecto curioso é que quanto maior for a sua instrução, maior será a probabilidade de a sua memória e a sua capacidade cognitiva persistirem na velhice, o que contribui para que se mantenha mais apto a cuidar de si próprio e a ser mais saudável. Mas não deixe de aprender depois de concluir os estudos ou de se ter aposentado!

Continue a ginasticar a sua mente, porque a aprendizagem obriga o cérebro a criar novas conexões entre as células nervosas – um antídoto para a estagnação! Num estudo realizado em 1993 e ainda em curso realizado pelo Rush University Medical Center, de Chicago, por exemplo, as pessoas que afirmaram ter passado algum tempo em actividades que envolviam um processamento de informação significativo (como ouvir rádio, ler jornais, ir a museus, fazer palavras cruzadas ou fazer puzzles) corriam cerca de metade do risco de desenvolverem a doença de Alzheimer do que as outras. E se mantiver a sua mente activa à medida que vai envelhecendo, tem uma probabilidade maior de que se o seu corpo se conserve também activo e de evitar a demência e outras situações congéneres. Uma mente activa vai acrescentar-lhe, segundo referem estes estudos, pelo menos mais 4 anos de vida.

SORRIA

Sorrir pode em si mesmo fazer sentir-nos bem, mas tal será ainda mais eficaz quando este mesmo sorriso é sincero e acompanhado (ou originado) de pensamentos positivos, segundo o seguinte estudo conduzido por um académico na área dos negócios, pertencente à Universidade de Michigan. Este estudo sugere que os trabalhadores das linhas telefónicas de atendimento ao cliente que aparentavam sorriso falso, ao longo do dia, tendiam a piorar o seu humor e a estarem menos disponíveis para a tarefa, afectando a sua produtividade.

Aqui se conclui, portanto, que sorrir sim, mas com sinceridade! Para além disto, resta destacar os, de resto, assazmente conhecidos benefícios para a saúde do simples acto de sorrir. Parece piada, mas há quem afirme que dar boas gargalhadas perante situações que causam dor, como partir uma perna, pode amenizar o desconforto. De certa forma, faz sentido: a cada sorriso o cérebro é induzido a produzir e libertar mais endorfina, o neurotransmissor relacionado às sensações de prazer e bem-estar, além de ser um potente analgésico natural.Mas para os especialistas, não é apenas com um sorriso que a dor intensa vai passar.

O facto comprovado é que “o sorriso causa uma acção bioquímica no organismo que resulta em reações benéficas, mas não a ponto de cessar a dor intensa”, refere Sérgio Luís de Miranda, médico e cirurgião especialista em cirurgia buco-maxilo-facial do Hospital Albert Einstein (HIAE), em Israel. De facto, sorrir pode até não ser o melhor – ou o único – remédio, mas que faz bem à saúde os especialistas concordam: “dizem até que o sorriso é tão eficiente quanto o relaxamento, a meditação e os exercícios físicos”, completa o Dr. Miranda.

Esperamos que tenha desfrutado deste pedaço de informação que reunimos para si e que, acima de tudo, possa tirar dela o maior partido. Para um Verão, um Outono, um Inverno, uma Primavera, enfim, uma dia-a-dia e uma Vida mais Felizes. E que a ciência confirma, também. Ser mais Feliz, ter mais Saúde, viver mais e melhor… através de pequenos passos e acções que estão perfeitamente ao alcance de qualquer pessoa.

E em jeito de conclusão-das-conclusões, apenas referir rapidamente aquilo que nos parece ser uma conclusão-das-conclusões óbvia. E esta é a de que a Felicidade reside, em primeiro lugar, no ter Saúde.

Por isso, resumindo-o-resumo, simplificando e descomplicando… 

Felicidade = vida melhor e vida maior = Saúde

O que tem feito pela sua? 

Em nome de toda a Equipa, os nossos votos para si de um óptimo recomeço! Desejamos que este seja um período propício para o início de novos ciclos, de largar do que já não lhe serve e o plantar de muitas coisas novas.r f

Fonte: Wonder Fell

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...