loading...

Cientistas avisam que o dia depois de amanhã pode tornar-se real

O filme “O dia depois de amanhã, de 2004, tem como história o colapso das correntes dos oceanos, devido ao aquecimento global, que gera tsunamis e tempestades cataclísmicas que varrem as grandes cidades mundiais, mudando a face do clima do nosso planeta.

Foto: ZAP
A trama de Hollywood – “The Day After Tomorrow”, em inglês -, que tem Dennis Quaid e Jake Gyllenhaal nos papéis principais, parece pura ficção, mas um novo estudo científico vem relevar que pode mesmo, virar realidade.

Este alerta vem de cientistas norte-americanos do Departamento de Geologia e Geofísica da Universidade de Yale e do Instituto de Oceanografia Scripps da Universidade de San Diego, na Califórnia, nos EUA.

Na investigação publicada no Science Advances, sugere-se que os padrões de circulação dos oceanos podem entrar em colapso, num futuro próximo, o que levaria o hemisfério Norte da Terra a entrar numa Idade do Gelo.

Erro de cálculo nos modelos de projecção climática

A equipa liderada por Wei Liu, do Departamento de Geologia e Geofísica da Universidade de Yale, detectou um viés na maioria dos modelos de projecção climática que exagera a estabilidade do padrão da chamada Circulação de Revolvimento Meridional do Atlântico Norte (AMOC), que leva as águas quentes do Atlântico Sul para o Atlântico Norte.

“Um modelo corrigido em termos de viés coloca a AMOC num regime de estabilidade realística e prevê um futuro colapso da AMOC, com proeminente arrefecimento no norte do Atlântico Norte e áreas vizinhas”, destaca Liu num comunicado divulgado pelo Instituto de Oceanografia Scripps.

Este dado acarreta “enormes implicações para as mudanças climáticas regionais e globais” do planeta, acrescenta o investigador.

A AMOC é um sistema essencial para o equilíbrio do clima da Terra, verificando-se fruto da diferença de temperaturas e de salinidade entre as massas de água dos oceanos, e promove a circulação das correntes entre a superfície e as diferentes profundidades e entre o Pólo Norte e o Equador.

Pode espreitar, no vídeo que se segue, como ocorre a AMOC ou Circulação Termoalina ou Termossalina, como é também conhecida.


Dióxido de carbono pode provocar colapso da Circulação Termoalina

As simulações deste novo estudo alarmante, efectuadas em laboratório, mostraram que as alterações climáticas, como “aumentos dramáticos no dióxido de carbono na atmosfera“, podem provocar o colapso da AMOC, num período de 300 anos.

O elevado nível de dióxido de carbono levaria o Árctico a derreter, o que aumentaria a quantidade de água gelada nos oceanos. Isto levaria à ruptura da AMOC, o que, por seu turno, motivaria o arrefecimento de larga escala no Atlântico Norte, promovendo uma descida de 7 graus centígrados nas temperaturas do ar na superfície no noroeste da Europa, onde se inclui Portugal.

E, mesmo que este cenário possa nunca ocorrer ou venha só a afectar a Terra daqui a umas centenas de anos, é uma possibilidade real e um exemplo de como a ficção pode saltar da tela para as nossas vidas.


Fonte: ZAP

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...