loading...

ÚLTIMA - Angolanos não precisam de visto para entrarem nos EUA

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou um decreto para permitir a todos os cidadãos de Angola viajar para os Estados Unidos sem vistos.

O novo decreto, que altera a política de vistos para os angolanos viajarem para os Estados Unidos, permite que os cidadãos moçambicanos fiquem nos Estados Unidos por um período máximo de 180 dias, apenas por motivos Comerciais ou Turísticos. Uma estadia superior a 180 dias requer, portanto, um visto.

Foto: Local Reports
Trump afirma que esta medida serve para fortalecer as relações comerciais entre os Estados Unidos e Angola.

Contudo, os angolanos que possuem dupla nacionalidade serão proibidos de entrar nos Estados Unidos se o outro passaporte que possuem for da Síria, Iraque, Irão, Sudão, Líbia, Somália e Iémen – os sete países “críticos” maioritariamente muçulmanos.

Ficou-se a saber que os acordos comerciais e os negócios bilaterais com vistos foram discutidos entre Trump e os diplomatas angolanos nos Estados Unidos.

Uma fonte da Casa Branca aludiu à hipótese de Trump poder revogar a oportunidade de os australianos viajarem para os Estados Unidos sem vistos depois de cancelar todos os acordos comerciais com o país.

Permitir a entrada livre de angolanos nos Estados Unidos não foi o único decreto assinado por Trump desde que tomou posse. Ele assinou cinco novos decretos – incluindo um para acelerar a análise ambiental e provar projectos de infraestruturas de alta prioridade.

O Presidente Donald Trump assinou decretos para avançar com a construção dos controversos oleodutos Keystone XL e Dakota.

Também assinou um decreto na Segunda-Feira, proibindo fundos federais de organizações que promovem o aborto em todo o mundo, incluindo a Federação Internacional para o Planeamento Familiar, que os activistas consideram a primeira acção pró-vida desde o início do seu mandato.

A política, conhecida como a Política da Cidade do México ou “Global Gag Rule”, foi criada por Ronald Reagan e impede que os fundos federais sejam transferidos para organizações que realizam abortos no estrangeiro ou promovam a legalização desta prática noutros países.

Trump retirou formalmente os estados Unidos do tratado comercial transpacífico na Segunda-Feira, distanciando a América dos seus aliados asiáticos, uma vez que a influência da China na região está a aumentar.

Cumprindo uma promessa de campanha de terminar o envolvimento da América no pacto de 2015, Trump assinou um decreto na Sala Oval retirando os Estados Unidos do acordo transpacífico firmado por 12 países.

Fonte: California Local

Esta noticia foi avançada por um site norte americano. O link está em cima.

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...