ÚLTIMA - Nova vitima do jogo Baleia Azul em Portugal

Um jovem de Sines foi transportado, há cerca de um mês, para o Hospital de Setúbal por cortes num braço relacionados com o jogo "Baleia Azul", que estimula a automutilação e o suicídio.

O jovem de 15 anos foi levado para o hospital depois de ter "desenhado" uma baleia num braço com um objeto cortante, disse à Lusa fonte dos bombeiros. O caso remonta ao mês passado mas só agora veio a público.

Foto: I Online
Fonte da GNR de Sines afirmou que a CPCJ (Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens) já tomou conhecimento do caso.

"Os pais estiveram em contacto com a CPCJ, e depois a CPCJ e a GNR acharam melhor encaminhar (o jovem) para o hospital", disse à Lusa a mesma fonte, que não quis revelar mais pormenores para assegurar a "reserva da intimidade" e a "confidencialidade médica", além de argumentar que o caso está "em análise" pela força de segurança.

"Felizmente não foram coisas muito graves, até porque se detetou a situação numa fase precoce, sem se avançar muito nesse 'esquema' de jogo, não foram infligidos a ele próprio ferimentos muitos graves, nada de muito relevante", acrescentou a mesma fonte, explicando no entanto que a situação "é semelhante" aos passos do jogo "baleia azul" descritos na imprensa nacional e brasileira.

O caso de Sines, que foi comunicado ao Tribunal de Família e de Menores e ao procurador de Família e de Menores de Santiago do Cacém, continua a ser acompanhado pela GNR sem que tenha no entanto sido aberta uma "investigação criminal", uma vez que se trata de "atos voluntários".

Em comunicado enviado à Lusa, a PSP "informa que tem conhecimento e que se encontra a monitorizar este fenómeno que pode afetar crianças e jovens em território nacional", sem avançar se existem ou está a investigar outros casos, mas deixando conselhos a crianças e pais.

"Aconselha-se os pais a manterem-se informados relativamente ao jogo e a alertar as crianças e jovens para as suas implicações, deve existir uma maior supervisão e monitorização das atividades dos filhos na internet e das redes sociais", diz a PSP.

Contactada esta sexta-feira pela Lusa, a porta-voz da PSP, comissária Cláudia Andrade, acrescentou que a polícia está também a trabalhar junto das escolas, através do programa Escola Segura, para aconselhar crianças e jovens para os riscos do jogo.

As origens do "Baleia Azul" não são claras mas terá começado numa rede social da Rússia, onde suicídios de mais de uma centena de jovens podem estar relacionados com o jogo.

Esta sexta-feira, o jogo terá levado uma jovem de 18 anos, de Albufeira, a automutilar-se e a atirar-se de um viaduto junto a uma linha férrea.

Fonte: JN

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...