loading...

Conheça as regras desta nova prática sexual em Portugal

Desde tempos imemoriais que o tabu sexual, pela sua natureza proibida, é gerador de práticas ortodoxas e ilegais.

Ou seja, para umas há uma espécie de consentimento social (ainda que não declarado) enquanto outras são vistas pela “opinião pública” como indecentes.

Não serão todas castradas e ilícitas da mesma forma mas algumas delas, justamente as que menos reúnem consenso, tendem a criar raízes, consolidar-se e ganhar adeptos. Como é o caso do dogging.


Nascida em Inglaterra na década de 70, o nome desta prática, ao contrário do que possa induzir a palavra, não tem especificamente a ver com o dog, o cão, mas com o facto de os mesmos poderem ter sexo na rua, o que, no fundo, é o ponto essencial do dogging.

Se ultrapassarmos o estrangeirismo, o dogging é a prática pública de sexo consentido, dentro do carro, com uma ou mais pessoas a ver, normalmente enquanto se masturbam. Ao exibicionismo junta-se o voyeurismo. Combina-se o prazer de fazer com o prazer de observar, ruma-se a um parque ou lugar isolado ou de pouco movimento, e eis que o dogging se dá em todo o seu esplendor. Diz quem sabe que o prazer sexual se intensifica pelos pares de olhos que observam de perto através do vidro do carro, gerando mais excitação.

Não se pense, porém, que o carácter clandestino do dogging o desobriga de regras e preceitos. Pelo contrário, é justamente a ilicitude de quem o pratica, e a complexidade da sua natureza, que fazem com ele esteja impregnado de directivas, para quem faz e para quem observa. Além disso, por ser diferente do voyeurismo comum, dado que quem está de fora do carro está, ainda assim, muito perto, importa ser o mais claro possível.

Por isso, elencamos aqui o básico:

A primeira regra é para lá de básica mas todos os são unânimes em referi-la: higiene, boa apresentação e estar preparado para sexo seguro. Esta tríade, fatal para quem não a cumpre, é o início de tudo.

O local: basta uma rápida pesquisa na para conhecer os locais para apropriados para o . Naturalmente, e porque sexo em locais públicos é proibido, a zona tem de ser discreta, não ter ninguém, ou ser pouco movimentada.

Carro estacionado, começa a dança. Para se convidar observadores a juntar-se à festa o código é acender a luz interior do carro. Mas atenção: se a luz não for acesa, mesmo que o carro esteja num local frequentado por , e ainda que pareça mesmo, mesmo que aquelas pessoas estão a pedi-las, NUNCA se aproximar. Quem dita o início e fim são os ocupantes do carro. Um passo em falso, um impulso mal contido, e está o momento estragado.

Vista a luz (literalmente), o observador, também conhecido por mirone, faz a única coisa que lhe compete. Chegar-se junto do carro e observar, com a prerrogativa de se poder masturbar enquanto vê.

A interacção entre e exibicionista dá-se apenas quando uma das pessoas dentro do carro, geralmente a mulher, abre o vidro incitando ao contacto limitado, normalmente o toque. É comum, nestas situações, o outro membro do casal, normalmente o homem, sair do carro e explicar quais as regras do jogo e os limites dessa interacção.

Se a mulher sair do carro, isso significa que procura e consente sexo com um, ou mais, observadores presentes.

As regras são simples, assim toda a gente as respeite. Naturalmente, telemóveis são estritamente proibidos, filmagens muito menos, o segredo e o sigilo são fundamentais, também porque é neste lado proibido, clandestino, furtivo que assenta o desejo gerado nos doggers. Em Lisboa, os locais mais apetecidos para o dogging são a zona de Monsanto e a do lado Norte da Expo, junto ao rio Trancão. Mas há quem seja mais aventureiro e procure estacionamento públicos, à noite, onde o movimento é menor e, em alguns casos, nulo, mas mais perigoso que fora do centro das cidades.

Seja onde for, a etiqueta do dogging é quase tudo nesta prática que tem cada vez mais adeptos, homens e mulheres em busca da surpresa e da adrenalina do sexo desbragado e perigoso, que joga com duas das características mais básicas da natureza humana: a emoção de ver e de ser visto. O ilícito de mostrar o sexo a estranhos, que correspondem na irregularidade ao observar e agir sobre a excitação dessa visão.

Enquanto a sexualidade humana pula e avança, o resto do mundo observa. Seremos todos um pouco doggers?

Fonte e Foto: Delas

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...