loading...

ÚLTIMA - Mulher de Ricardo Salgado com conta no Panamá

Justiça investiga 4,5 milhões de euros transferidos para conta na Suíça de offshore de mulher de Ricardo Salgado. E descobriu um novo beneficiário do 'saco azul': Pluto 49. Quem será?

As contas bancárias suíças da mulher de Ricardo Salgado estão a ser investigadas pelo Ministério Público (MP) no âmbito da Operação Marquês. A equipa liderada pelo procurador Rosário Teixeira suspeita que uma offshore que será detida por Maria João Bastos Salgado terá alegadamente recebido cerca de 4,9 milhões de francos suíços (cerca de 4,5 milhões de euros ao câmbio actual) que terá tido origem em contas do Grupo Espírito Santo.

Foto: Flash!Vidas
Os fundos foram transferidos a 22 de novembro de 2011 a partir de uma conta aberta no Banco Pictet, cujo proprietário é para já desconhecido, com destino à conta detida pela entidade offshore Begolino no banco Lombard Odier — uma das mais antigas instituições de crédito suíças (onde Manuel Dias Loureiro também teve conta). De acordo com a informação prestada pelas autoridades judiciais helvéticas, após o pedido de quebra do sigilo bancário requerido por Rosário Teixeira, a empresa sediada no paraíso fiscal do Panamá pertencerá a Maria João Bastos Salgado.

A equipa de investigação da Operação Marquês já pediu, entretanto, mais informações sobre essa transferência, tendo expedido em janeiro de 2017 novos pedidos complementares à carta rogatória que tinha sido enviada em setembro de 2016. O MP quer saber concretamente de quem é a conta do Banco Pictet de onde terão partido os fundos com destino à sociedade offshore atribuída a Maria João Salgado. A razão? O MP suspeita que está em causa dinheiro do Grupo Espírito Santo alegadamente desviado por Ricardo Salgado, ex-presidente executivo do Banco Espírito Santo.

Recorde-se que o Expresso e a TVI já tinham noticiado, no âmbito da investigação sobre os Panama Papers, que Ricardo Salgado e a sua mulher seriam os proprietários de três offshores — Eolia Holdings, Rospine International e Penn Plaza — com contas bancárias na Suíça, Ilhas Caimão e Panamá.

Quem é o Pluto 49?

Seguir o rasto do dinheiro transferido entre entidades offshore que servem para ocultar os nomes dos reais beneficiários dos fundos tem destas coisas: às vezes, descobrem-se contas bancárias detidas por entidades com nomes originais, como Pluto 49.

Foi o que aconteceu aos investigadores da Operação Marquês que estão a passar a pente fino desde 2016 todas as transferências realizadas pela Espírito Santo (ES) Enterprises, o famoso ‘saco azul’ do Grupo Espírito Santo (GES).

A conta detida pela misteriosa entidade Pluto 49 situa-se no Banco Pictet, da Suíça, e recebeu a 20 de setembro de 2007 um montante de 450 mil euros da conta da ES Enterprises.

A equipa do procurador Rosário Teixeira suspeitava que tal conta teria como alegado beneficiário um administrador do Grupo Espírito Santo ou da Portugal Telecom, sendo que tal transferência representaria um suposto pagamento de uma comissão alegadamente ilícita. Daí o pedido de informação complementar enviado em janeiro para descobrir o nome do verdadeiro titular da conta e solicitar mais dados sobre as transferências que tiveram essa conta bancária como origem e destino.

Ao que o Observador apurou, tal suspeita, contudo, não se confirmou, de acordo com informação que entretanto foi prestada pela Confederação Helvética. As novas hipóteses apontam para consultores ou advogados que tenham participado na montagem de operações lideradas pelo GES. O MP ainda está à espera de uma resposta.
Mais dados do ‘saco azul’ do GES a caminho

As contas que a ES Enterprises detinha no Banque Privée Espírito Santo, na Suíça, continuam a ser analisadas ao detalhe. Além de todos os elementos que foram recolhidos nos inquéritos do chamado Universo Espírito Santo, a cargo de uma equipa liderada pelo procurador José Ranito, a equipa da Operação Marquês continua à procura de mais dados bancários relacionados com o período de 2006 a 2012, de forma a identificar mais beneficiários de fundos transferidos pelo ‘saco azul’ do GES.

As autoridades helvéticas enviaram em dezembro de 2016 os extratos relativos a um período posterior a 2010 e até à liquidação da instituição de crédito suíça, encontrando-se em falta os registos relativos a 2006 e 2009. Contudo, os dados informáticos enviados, que englobam outras sociedade do GES como a a ES Financial Group e a ES International, têm uma dimensão significativa.

Este interesse da equipa de Rosário Teixeira pelo ‘saco azul’ do GES demonstra que a investigação à entidade que tem sido apontada como a responsável pelos pagamentos de alegadas contrapartidas a José Sócrates, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e a outros responsáveis políticos e empresariais estará a ser partilhada entre a Operação Marquês e as chamadas investigações ao Universo Espírito Santo.

Fonte: Observador

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...