loading...

Herói português em Londres ajudou a salvar uma jovem

Carlos Pinto não se sente um herói, explica apenas que "agiu por instinto". Que é dele essa vontade interior de ajudar os outros.

Enfermeiro português a trabalhar em Londres, prestou os primeiros socorros, com a ajuda de uma amiga, a uma jovem que foi esfaqueada por um dos terroristas que mataram sete pessoas e feriram cerca de 50, sábado à noite na Capital inglesa. Depois, ainda foi levar pessoas a casa numa carrinha alugada.


Natural de Constantim, Vila Real, Carlos Pinto esteve a cerca de um metro e meio da faca de um dos três atacantes de Londres. Um homem "de pele escura, barba negra" especado à entrada do restaurante no mercado de Borough, a impedir a saída dos clientes e a gritar. "Só me lembro de ver a boca dele a mexer muito", recordou Carlos Pinto, em declarações ao "Jornal de Notícias".

As pessoas começaram a tentar fugir e foi quando a jovem, que terá "17 ou 18 anos", foi esfaqueada no peito. Seguiram-se momentos de pânico no restaurante, mas a reação dos clientes evitou uma tragédia de proporções maiores. "As pessoas começaram a atirar cadeiras e copos ao atacante, que recuou um ou dois metros. O restaurante conseguiu fechar o portão e ficamos completamente isolados do exterior", recordou.

"Ouvi bater no portão e ouvi tiros, mas não sei explicar muito bem porquê, porque nessa altura estava a ajudar a rapariga que tinha sido esfaqueada e não a larguei mais até chegar a ambulância". A jovem, cuja evolução do estado de saúde Carlos ainda não conseguiu perceber, ficou em boas mãos, aos cuidados de dois dos milhares de enfermeiros portugueses que nos últimos anos emigraram para o Reino Unido.

"Tinha uma ferida profunda no tórax e perdeu cerca de meio litro de sangue", conta Carlos Pinto. "Pedimos gelo e toalhas para fazer compressas e tentar estancar a hemorragia. A ferida era muito grande e usamos fita-cola castanha, daquela de colar caixas, para conseguir juntar a pele", recordou. O tradicional desenrasque de Carlos e de uma amiga que não quis ser identificada foi complementado com a caixa de primeiros socorros do restaurante, que tinha algum material mais para ajudar a manter a jovem viva.


"Só fomos resgatados quase duas horas depois do ataque. Não percebo se demoraram porque sabiam que estavam enfermeiros com a rapariga ou se havia gente em pior estado e a precisar de mais ajuda", desabafou Carlos Pinto. "No final, ela estava muito fraca e respirava com dificuldade. Não sei se a faca não terá furado o pulmão", acrescentou. "A faca era muito grande. Não percebi bem se era vermelha ou se já vinha cheia de sangue da rua", contou.

"Sinto-me pior"

"Só hoje [domingo], ao acordar é que tomei consciência do que se passou. Agora que caiu a ficha, sinto-me pior do que estava ontem [sábado]", contou Carlos Pinto, que disse ter sentido mais medo depois de sair do restaurante, quando finalmente a polícia abriu o portão.

"Entendemos a dificuldade da polícia, mas fomos tratados com muita agressividade, principalmente verbal, até perceberem que eram vítimas e não os terroristas", desabafou. "Tivemos armas apontadas e não podíamos tirar os braços de cima da cabeça até que confirmassem que não éramos criminosos", contou.

Sem escolta policial ou saída organizada do Mercado de Borough, Carlos e os amigos foram andando de susto em susto, durante cerca de 30 minutos, que "pareceram horas", até sair da zona vedada pelas autoridades, sempre entre a agressividade, as revistas e as ordens secas da polícia.

Amigos alugaram carrinha para levar pessoas a casa

Quando saíram "do epicentro" do ataque, Carlos e os três amigos alugaram uma carrinha-táxi e andaram horas a levar pessoas que tinham fugido do restaurante sem dinheiro e bens pessoais. "Tinham perdido tudo no restaurante", explicou. "Fizemos aos outros o que gostaríamos que fizessem a nós", acrescentou. A conta chegou às 180 libras, cerca de 200 euros, quantia que não pensam em reaver, apesar de um dos funcionários do restaurante que ajudaram dizer para passarem lá um dia. "Foi dinheiro para as alminhas", desabafou.

Chegou a casa por volta das três da manhã. "Felizmente sou enfermeiro, tenho medicamentos em casa para ajudar a descansar, mas mesmo assim não dormi mais de três ou quatro horas", disse.

Apesar da noite mal dormida saiu à rua, este domingo, para tomar café e enfrentar os demónios. "Não vou deixar Londres nem mudar a minha vida por causa disto", disse Carlos Pinto.

Fonte: JN

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...