loading...

Pedrógão Grande - Teria sido possível evitar uma tragédia tão grande?

O encerramento das estradas "a tempo e horas" e uma aposta clara na prevenção, com medidas como a criação de faixas de segurança em torno das aldeias e de refúgios no interior das mesmas, teriam evitado que tanta gente morresse na estrada quando fugia ao fogo.


A pergunta que todos fazem agora é: teria sido possível evitar esta tragédia? Paulo Fernandes, engenheiro florestal e professor no Departamento de Ciências Florestais da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, acredita que pelo menos teria sido possível minimizar a sua dimensão. Desde logo porque era possível antecipar que existia um potencial de factores combinados, como a temperatura elevada, ventos muito fortes e, sobretudo, a instabilidade atmosférica (trovoadas e raios), que já estava prevista há dias, explica. “Uma mistura fatal”, sintetiza.

Estas coisas nunca são totalmente previsíveis, mas o sistema tem de estar preparado. No mínimo, pedia-se que se tivessem encerrado as estradas a tempo e horas”, defende o especialista, que se espanta com a surpresa manifestada por vários responsáveis no terreno. “Estou é surpreendido por isto não ter acontecido antes e mais vezes”, enfatiza.

Paulo Fernandes faz um paralelo com o que aconteceu em 2003 [ano que morreram 21 pessoas], “com incêndios enormes causados por raios” e lamenta que os fogos naturais sejam em Portugal sistematicamente desvalorizados por representarem apenas 2% do total.

Temos de estar preparados. Em Portugal, não há pessoas especializadas em meteorologia de incêndios, há académicos, mas não há operacionais”, diz, notando que qualquer país com este potencial adverso tem de ter pessoas a trabalhar nestas áreas “a tempo inteiro”.

Todo o sistema de prevenção e combate a incêndios precisa, aliás, de ser reformado, defende. “Esta originalidade portuguesa de ter fases alfa e charlie não faz sentido hoje. Um sistema moderno não pode estar dependente do calendário, tem de ter flexibilidade para responder sempre que necessário, até por causa das alterações climáticas.”

Numa altura em que o Dispositivo Especial de Combate aos Incêndios Florestais (DECIF) para 2017 está ainda na fase Bravo, e sendo que a fase Charlie, que vai ter os meios de combate na sua capacidade máxima, começa só no dia 1 de Julho, o investigador Xavier Viegas concorda com a necessidade de uma maior flexibilidade do dispositivo. “O problema é que essa flexibilidade não é nada fácil e levaria à introdução de cláusulas nos contratos que seriam impeditivas do ponto de vista económico ou prático”, ressalva, porém, o professor na Universidade de Coimbra, com anos de investigação na área dos incêndios florestais.

De resto, como lembra Luciano Lourenço, director do núcleo de investigação de incêndios florestais da Universidade de Coimbra, “o combate [aos fogos] é sempre o último recurso e é um mau recurso porque quando se vai tentar colocar trancas à porta de casa esta muitas vezes já não existe”.

Aldeias com "espaços de refúgio"

Dito de outro modo, a melhor forma de se travar os fogos e as suas consequências devastadoras é apostar na prevenção. Como? “É preciso pegar nas pessoas válidas que vivem nestes meios rurais e dar-lhes capacidade de se organizarem e de se auto-protegerem num cenário de incêndio, evitando assim que fiquem à margem do processo como hoje em dia”, sugere Xavier Viegas, para defender que cada núcleo habitacional deste tipo deveria, por outro lado, ter “espaços de refúgio seguros para onde as pessoas pudessem encaminhar-se sem terem que se fazer à estrada para fugir ao fogo”.

Trata-se de um trabalho “sistemático e metódico” que leva anos. E por isso Luciano Lourenço lamenta que muitas das medidas de prevenção que há muito foram prevista no plano Nacional de Defesa da Floresta nunca tenham saído do papel. “Há anos que se fala na necessidade de criar faixas de segurança em torno das habitações e das unidades industriais. Bastava que essa medida tivesse sido implementada para que se tivessem evitado algumas destas mortes”, aponta. Para o investigador, além de poupar vidas, estas faixas de segurança fariam com que “deixasse de ser prioritário colocar os bombeiros nas aldeias - porque elas estariam protegidas - permitindo que se concentrassem no combate ao incêndio”.

A criação de “faixas de descontinuidade” no ordenamento de uma zona de floresta é outra das medidas de prevenção que têm sido descuradas. “Não digo que tenha de se desistir das espécies economicamente mais rentáveis como o eucalipto mas sabemos que, num caso de incêndio, a existência de uma faixa de folhosas tradicionais, como o castanheiro ou o carvalho, é extremamente favorável à contenção do fogo e até à sua auto-extinção”.

Falta ainda apostar na “educação e na mudança de comportamentos” das pessoas. É que, na opinião de Luciano Lourenço, se é verdade que o incêndio de Pedrogão Grande teve causas naturais, o mesmo não se poderá dizer dos restantes 153 pequenos fogos que deflagraram no mesmo dia. “Mesmo sem ter feito investigação, arrisco dizer que a grande maioria teve origem humana. E se estes tivessem sido evitados, haveria mais meios disponíveis para auxiliar no incêndio de Pedrógão”.

Por isto é que este especialista defende “uma mudança de paradigma” no combate aos incêndios florestais. “Temos três ou quatro meses com incêndios e nos restantes oito ou nove meses ninguém se lembra disso. E, mais do que estarmos sistematicamente a colocar a tónica no combate, com mais meios, mais veículos, mais aviões e mais combatentes, devíamos concentrar-nos na prevenção que é onde está a solução para o problema”.

Por isso é que Paulo Fernandes pede que se retirem ilações desta tragédia. “Acho inconcebível que responsáveis do Governo e até o Presidente da República comecem logo a declarar à queima-roupa que tudo correu muito bem”, porque isto, acredita, contribui para “a desresponsabilização”. 

Fonte e Foto: Público

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

loading...