Loading...

45% dos alunos não situam Portugal no mapa da Europa



Dificuldade em usar rosa-dos-ventos, em prova de aferição do 5.º ano, ilustra problemas para analisar e interpretar informação que o presidente do IAVE diz serem transversais a várias áreas

É apenas um indicador analisado, entre centenas, num relatório que abrange dois anos de provas de aferição - 2016 e 2017 - de várias disciplinas e anos de escolaridade. Mas não deixa de ser preocupante. Pelo menos do ponto de vista simbólico. Entre os mais de 90 mil alunos que realizaram as provas de aferição de História e Geografia do 2.º ciclo, no ano passado, 45% não conseguiram localizar Portugal continental em relação ao continente europeu utilizando os pontos colaterais da rosa-dos-ventos. Ou seja: não conseguiram localizar o país no Sudoeste da Europa.

Utilizando os pontos cardeais, acrescenta o relatório, apenas 45% dos estudantes localizaram correctamente "o continente europeu em relação ao continente asiático, o continente africano em relação ao continente europeu e Portugal continental em relação ao continente americano".

Para Hélder de Sousa, presidente do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelas provas, os dados não surpreendem. Mesmo tratando-se da primeira prova externa que, de forma universal, analisou os conhecimentos de Geografia entre os alunos de 10/11 anos. "Sendo Portugal na Europa, parece de facto ter um grande impacto", reconhece. "Mas visto no âmbito do uso da cartografia em termos gerais é um problema já muito antigo", revela.

Aplicar o conhecimento

O "problema", acrescenta, não estará exactamente no conhecimento da matéria. Mas na capacidade de o aplicar quando não se trata apenas de repetir factos memorizados: "Em alguns relatórios, na análise que se faz da Geografia do ensino secundário, uma das coisas um pouco anacrónicas é a dificuldade que os alunos têm em utilizar a informação cartográfica, quando a Geografia é a área em que, por excelência, estas áreas deviam estar mais consolidadas", ilustra.

O exemplo da Geografia, acrescenta, "é transversal" para outras áreas analisadas em que, quando se entra "no processo de interpretação, análise, explicação dos fenómenos", os resultados pioram. "É aí que normalmente os alunos falham e perdem pontos, com resultados que se vão afastando cada vez mais daquele que é o nível de excelência", conta.

Por exemplo, na Matemática, os alunos "revelam grandes dificuldades com o conceito da divisão". As fracções, consideradas nucleares para a continuidade da disciplina, são outro calcanhar de Aquiles apontado, quer nos relatórios de 2016 quer nos de 2017. No Português, a interpretação de textos e a capacidade de os redigir correctamente aparecem frequentemente entre os problemas sinalizados.

Helder de Sousa ressalva que as provas de aferição dão origem a relatórios "aluno a aluno e, sobretudo escola a escola, tendo em vista a melhoria de processos", mas admite que pode haver um denominador comum, relacionado com a tradição de "perder muito tempo a explicar a matéria e não dar atenção aos processos". E defende que os resultados "obrigam-nos a repensar no processo que temos em termos de sala de aula", num "processo interactivo entre a atitude dos professores e dos alunos".

Fonte e foto: DN
loading...

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

INFORMAÇÃO

Algumas fotografias utilizadas neste blog e alguns artigos são provenientes de outras fontes como Jornais, Revistas, Blogues, órgãos de comunicação social, bases fotográficas estrangeiras e motores de busca. Todos os artigos tem a fonte da foto e da noticia no final do mesmo. Se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo utilizado neste sítio comunique-nos, por favor, e prontamente será retirado.