Loading...

Lembram-se da presidente da Raríssimas continua impune a receber salário e a fazer vida de luxo



Meses depois da reportagem da TVI que denunciou supostas irregularidades na ‘Raríssimas’, Paula Brito e Costa, suspensa de funções, continua a receber salário, tal como o marido e o filho. E pasme-se, mantém o mesmo nível de vida.

Em Dezembro passado, uma investigação da jornalista Ana Leal da TVI, revelava centenas de documentos que punham em causa a gestão da presidente da associação ‘Raríssimas’. Um escândalo nacional que fez, inclusivamente, cair um secretário de Estado, Manuel Delgado, e fez “tremer” o ministro Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva.

Paula Brito e Costa foi acusada de usar dinheiros da instituição em deslocações fictícias e gastos pessoais, entre os quais roupas e compras de supermercado.

Na sequência da reportagem da estação de Queluz, a fundadora da associação Raríssimas foi constituída arguida, por suspeitas de três crimes: peculato, falsificação de documentos e recebimento indevido de vantagem.

Suspensa de funções, Paula Brito e Sousa continua, no entanto, a auferir salário desta instituição de solidariedade social, que vive de subsídios do Estado e donativos. Também o marido e o filho da antiga presidente continuam a contar com o ordenado no final de cada mês, conforme notícia esta a revista ‘Nova Gente’, na edição desta semana.

Fonte e foto: Maravilhas de Portugal
loading...

Siga-nos por email

Subscreva:

Desenvolvido por FeedBurner

INFORMAÇÃO

Algumas fotografias utilizadas neste blog e alguns artigos são provenientes de outras fontes como Jornais, Revistas, Blogues, órgãos de comunicação social, bases fotográficas estrangeiras e motores de busca. Todos os artigos tem a fonte da foto e da noticia no final do mesmo. Se alguma entidade se sentir lesada ou não permitir a utilização de algum conteúdo utilizado neste sítio comunique-nos, por favor, e prontamente será retirado.